Dr Bruno alerta: Conheça as doenças de inverno de cães e gatos

0
4588

Quem tem pet em casa pode pensar que um cobertor quentinho e uma casinha abrigada do frio bastam para garantir a saúde e bem-estar do animalzinho durante o inverno. É preciso mais. As temperaturas baixas somadas ao tempo seco típico da estação mais fria do ano podem trazer ou agravar doenças respiratórias, articulares e dermatológicas em cães e gatos.

Tosse, secreção nasal, olhos lacrimejantes e falta de apetite são alguns dos sintomas, inclusive os que passam a maior parte do tempo dentro de casa, com olhe explica o Dr. Bruno da Clínica “Recanto Animal”

“Mesmo tendo a temperatura corporal mais elevada que a nossa, em torno de 38,5 a 39,5 graus, a pelagem dos pets não é suficiente para mantê-los aquecidos durante esse período. É mito achar que eles não sentem frio, sejam filhotes, cães idosos ou com pelagem longa ou curta”…

Segundo a profissional, também há um aumento das doenças articulares e crises de dor em virtude do frio. Problemas de pele e pelo podem acontecer pela falta de hidratação da barreira cutânea e pela falta ou excesso de banho em determinadas raças de cães. No inverno também podemos ver uma piora nos quadros renais ou aparecimento de novos casos devido a desidratação.

 Gripe canina

No caso dos cães, uma das principais doenças de inverno é a gripe canina, mais conhecida como “tosse dos canis”.

O tratamento é feito com imunoestimulantes, anti-inflamatórios, antitussígenos e antibióticos para o caso de bactérias associadas. Mas, nada como prevenir o problema e evitar o sofrimento dos pets. Para os casos de gripe, a melhor maneira de prevenção é manter a imunização em dia. “As vacinas atuais no mercado não evitam que os animais adquiram a doença, mas diminuem os sintomas. Com isso, a capacidade de transmissão é menor.

Rinotraqueíte em gatos

Para os gatos, o frio pode provocar uma queda no sistema imune, já que o organismo está “mais voltado” para a manutenção da temperatura corporal, a doença mais comum é a gripe ou resfriado dos gatos, também chamada de rinotraqueíte. “Esse complexo respiratório é causado principalmente por vírus, o herpes vírus felino, o calicivírus e a clamídia, que é uma bactéria. Tem também uma outra bactéria oportunista, que é a bordetella, que se aproveita do quadro inflamatório do sistema respiratório para trazer complicações como uma infecção secundária.

Problemas de pele podem acometer cães e gatos diante da estação mais fria e seca do ano, o fato de os pets apresentarem uma pele bem mais fina do que a humana, os torna muito mais sensíveis a alterações de temperatura. Com o ressecamento, coça muito, o que acaba levando as bactérias das unhas para a pele, causando doenças. As infecções bacterianas e fúngicas se agravam no período de frio porque os tutores evitam ou diminuem os banhos dos pets. “Então, aquela camada mais superficial da pele acumula maior concentração de bactérias que podem ir para as camadas mais profundas.” Uma rotina diária de cuidados relacionados a reposição hídrica nestes animais é a indicação da dermatologista para evitar os problemas de pele. “Existem no mercado produtos que conseguem devolver a água à pele. Ao mesmo tempo, é possível diversificar a microbiota da pele fazendo com que ela seja composta por mais bactérias boas.