Dr. Bruno alerta: Pet e chuva não combinam

0
4665

Neste período chuvoso, os animais precisam de cuidado redobrado. Saiba como protegê-los

A época úmida e molhada pede cuidados especiais, inclusive quando o assunto são os animais de estimação. Os pets também precisam de proteção contra a chuva e o chão molhado, principalmente os que moram em casa e têm acesso livre ao quintal.

Animais expostos à chuva e que ficam com o pelo molhado estão sujeitos a desenvolver dermatites e problemas respiratórios, como asma, bronquite e pneumonias. A umidade causa alterações na pele, o que favorecem a proliferação de bactérias e fungos. Quando o tempo está abafado, o processo pode ser ainda mais rápido.

As dermatites trazem muito incômodo e, quando não tratadas, podem evoluir para casos mais graves.

Manter os pelos bem aparados e penteados, além de secos, são medidas que também ajudam a prevenir dermatites. É importante lembrar que algumas raças são mais propensas a desenvolver a inflamação por razões anatômicas, como dobras na pele e tipo de pelo.

Para fugir da dermatite, o ideal é evitar ao máximo que o animal seja exposto à chuva e à umidade, mas, em alguns casos, isso fica mais difícil. Cães que moram em apartamentos e não fazem suas necessidades dentro de casa precisam sair. O ideal é aproveitar os horários que a chuva der uma trégua e passear com guarda-chuvas e capas de chuva específicas para o cão.

Secagem

Ao voltar para casa, é importante secar o pet com uma toalha. Caso ele tenha ficado com o pelo úmido, invista na secagem mais potente com o secador. Outro cuidado é a limpeza e a secagem das patas do animal.

Quando o animal tiver contato com água suja, que pode estar contaminada, é importante dar banho ao voltar para casa e secar bem com toalha e secador. Cuidados quando usar o secador: mantenha o aparelho a uma distância razoável, que não esquente demais, e controle a temperatura.

A vacinação deve também estar sempre em dia, pois, no período chuvoso, a urina de rato pode ser espalhada e diluída na água, aumentando o risco de doenças.

A combinação entre banhos em excesso e secagem inadequada pode ser prejudicial ao cão. Neste período, não é recomendado deixar os cães secarem naturalmente, principalmente os de pelo grosso. De forma geral, a indicação é diminuir um pouco a frequência de banhos, mas os pets que costumam ir a pet shop, onde existem equipamentos para uma secagem mais confiável, não costumam apresentar problemas.