Dr. Bruno fala sobre hérnia inguinal em cães: diagnóstico e tratamento

0
3735

hérnia inguinal em cães é uma protrusão que pode ser observada na região da virilha.  Em que consiste uma hérnia, qual o risco que ela representa para a saúde de seu cachorro quando está localizada na região da virilha e qual é o tratamento de escolha.

Por  que são mais perigosas nas fêmeas e por que, no caso delas, o mais comum é ter que recorrer a uma intervenção cirúrgica para reparar a hérnia. Descubra abaixo mais informações sobre o diagnóstico e tratamento da hérnia inguinal em cães.

Hérnia inguinal em cães: o que é

Uma hérnia inguinal em cães é uma protrusão de gordura ou intestino através de uma abertura na parede abdominal que deveria ter se fechado durante o desenvolvimento do filhote. Elas são hereditárias, o que significa que é provável, quando você conhece os pais ou irmãos do seu cachorro, que algum deles também apresente uma hérnia inguinal ou no umbigo.

Portanto, parece existir uma predisposição genética para o atraso do fechamento abdominal, que leva ao aparecimento das hérnias. Há também raças que parecem ter maior propensão a sofrer com elas, como Cocker Spaniel Inglês, Pequinês ou Border Collie.

Ocasionalmente, as hérnias serão adquiridas, ou seja, o animal não nasce com elas, mas se desenvolvem após um trauma, gestação ou obesidade. As hérnias umbilicais, assim como as inguinais, podem aprisionar as alças intestinais, causando obstruções intestinais.

Além disso, algumas hérnias se estrangulam, o que acontece quando o suprimento de sangue para o conteúdo da hérnia é interrompido por uma constrição, no que é conhecido como pescoço ou anel herniário. No caso das fêmeas, que são as mais afetadas pelas hérnias inguinais, o útero pode ficar preso na hérnia.

Hérnia inguinal em cães: como identificar

A protrusão de gordura ou intestino da hérnia inguinal em cachorros pode ser vista como uma protuberância de tamanho maior ou menor que se pode ver ou sentir. Em casos mais graves, os animais podem apresentar sintomas como vômitos, anorexia, aumento da frequência urinária, febre, letargia e dor.

Existem diferentes tipos de hérnias em cães, e podemos classificá-las de acordo com a localização, em hérnias umbilicais, inguinais ou perineais, se localizam, respectivamente, no umbigo, virilha ou região pélvica. As duas primeiras são as mais comuns. Elas também podem ser diferenciadas, dependendo se é possível reinseri-las se as pressionarmos para dentro com o dedo ou não. Assim, fala-se de hérnias redutíveis, se for possível, ou aprisionadas e presas, se não for possível. No caso destas últimas, elas podem se estrangular.

Por isso, qualquer nódulo presente nas áreas mencionadas é suscetível a ser uma hérnia. Sua consistência pode ser mais ou menos dura e, como vimos, em alguns casos é possível movê-la para dentro do corpo do cachorro, enquanto outras permanecerão fixas. Nestes casos de hérnia estranguladas, se ao palpar o animal sente dor, você deve imediatamente ir ao veterinário, pois a hérnia poderia estar se estrangulando. É uma emergência, pois pode levar a insuficiência renal ou hepática com resultado fatal.

Hérnia inguinal em cadelas

As  hérnias têm uma base hereditária, e devemos também ter em mente que as hérnias inguinais em cães são mais frequentes nas fêmeas. Isso não significa que não é possível encontrar casos de hérnia inguinal em cães machos.

Quanto à idade, às vezes não é possível notar a hérnia inguinal em cães filhotes, e só ao atingir a maturidade é que será detectar um nódulo na região da virilha. De fato, não é incomum diagnosticar hérnia inguinal em cães idosos. Este aspecto é um risco, uma vez que, sendo uma hérnia que afeta mais as fêmeas, se não forem esterilizadas, durante a gravidez, parto ou alguma doença uterina, o próprio útero pode ficar preso na hérnia.

Hérnia inguinal em cães: diagnóstico e tratamento

O diagnóstico é feito observando a protuberância formada pela hérnia. O animal também deve passar por um exame geral para obter informações sobre seu estado geral. O veterinário terá que determinar o tamanho da hérnia e o tipo e quantidade do conteúdo. Para obter esses dados, a ultrassonografia é o mais indicado.

Não existem remédios caseiros que melhorem ou reparem uma hérnia em cães. Circula por aí o mito de que podem ser resolvidas cobrindo ou colocando uma moeda sobre elas, mas esses tipos de remédios não têm base científica, não resolvem o problema e podem até ser contraproducentes.

Tendo em vista os riscos de uma hérnia inguinal em cães, é recomendável repará-las, e isso só pode ser feito através de cirurgia. A intervenção é indicada em todos os casos, embora no caso de hérnias pequenas e em machos, seja possível determinar um acompanhamento e esperar, pois em muitos casos essas hérnias se fecham espontaneamente. Se não, é necessário operar. Tenha em mente que fatores mais ou menos controláveis, como obesidade ou outros eventos, como traumas, podem fazer uma pequena hérnia aumentar de tamanho e causar mais problemas.

A técnica cirúrgica envolve fazer uma incisão abdominal para descobrir a hérnia e reposicionar os órgãos afetados no lugar. Se algum fragmento intestinal estiver danificado, ele deve ser removido e reconectado. Às vezes é necessário recorrer a um enxerto. O sucesso e as possíveis complicações dependerão das características da hérnia. Em geral, o resultado é bom e o cachorro pode retomar uma vida normal.