Projeto da Fatec Pindamonhangaba conquista prêmio nacional do ITA 2020

0
3714

Competição teve 53 inscrições e estudantes conquistaram o primeiro lugar no ITA Challenge; vencedores recebem recursos, mentoria e horas de laboratório

O projeto de uma embalagem sustentável desenvolvida com algas marinhas capaz de reduzir a poluição ambiental e os riscos para a saúde venceu a oitava edição do prêmio ITA Challenge 2020, realizado pelo Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA). O produto está sendo desenvolvido pela Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) Pindamonhangada e promete ser uma alternativa eficiente às embalagens plásticas.

O trabalho Bioembalagem das estudantes do curso de Gestão de Negócios & Inovação (GNI) concorreu com trabalhos de todo país e venceu na categoria Decola do prêmio. A equipe classificada em segundo lugar é do Instituto Militar de Engenharia – IME (RJ) e o terceiro classificado é da Universidade Federal do Pará (UFP).

O grupo da Fatec Pinda é formado por Amanda Almeida, Danielle de Souza e Gabrielle Silva. “A experiência no ITA Challenge trouxe melhorias e alternativas que amadureceram a ideia de desenvolver uma embalagem sustentável”, explica Gabrielle. Entusiasta do empreendedorismo, a jovem afirma que depois de formada pretende trabalhar nessa área e reconhece a influência do Centro Paula Souza (CPS) nessa trajetória. Além de colegas na Fatec, as três estudantes cursaram a Escola Técnica Estadual (Etec) João Gomes de Araújo.

A apresentação e o resultado do prêmio foram anunciados no dia 12 de setembro. O grupo vencedor receberá R$ 8 mil para serem investidos numa startup que coloque o projeto no mercado. Outros prêmios para o primeiro colocado são a monitoria com uma empresa especializada em Inteligência de Mercado e 100 horas para uso do laboratório do ITA, em São José dos Campos. O júri do Ita Challenge foi formado por mentores da Embraer, do Centro de Pesquisa Albert Einstein e da GAG Investimentos, além de especialistas do próprio ITA.

O projeto Bioembalagem aproveitou o conceito de Open Innovation, que estimula a criação de soluções inovadoras para problemas reais e envolve conhecimento de diversas disciplinas. A orientadora foi a professora Eloisa Lopes, com coorientação técnica em Química de Marta dos Santos, do coordenador do curso de GNI, Sérgio Montoro, e da diretora da unidade, Cristina Ares.

Solução limpa e de baixo custo

“A enorme produção de lixo no mundo e o impacto poluidor de sacos, bandejas e caixas plásticas sensibilizaram as alunas e confirmaram que a bioembalagem tem um nicho promissor de negócio”, afirma Eloisa. “Essa tecnologia tem baixo custo e é 100% degradável num período de até dois anos. O plástico demora cerca de 400 anos para se degradar”, comparou a professora.

Outro benefício da solução é que a fórmula à base de algas marinhas não causa danos à saúde se for absorvida pelo organismo. Para a educadora, esse diferencial torna a bioembalagem adequada para as indústrias de alimentos, farmacêutica e cosméticos.

Para transformar o projeto em produto, a equipe trabalhou no laboratório de química para o desenvolvimento de um protótipo. Após a realização de testes iniciais para validação, o modelo continuará sendo aperfeiçoado durante a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) das estudantes. O próximo passo será submetê-lo ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) para registro da patente.

Ficha técnica

A Fatec Pindamonhangaba foi classificada também no ITA Challenge de 2019 com dois projetos semifinalistas. Um dos trabalhos foi a produção de uma embalagem feita com fibra de bananeira e outro, a modelagem de uma startup de alimentos.

O ITA Challenge visa difundir a cultura do empreendedorismo e inovação na comunidade acadêmica. A competição está aberta a alunos do Ensino Fundamental à Pós-Graduação de todo país.

Sobre o Centro Paula Souza – Autarquia do Governo do Estado de São Paulo vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, o Centro Paula Souza (CPS) administra as Faculdades de Tecnologia (Fatecs) e as Escolas Técnicas (Etecs) estaduais, além das classes descentralizadas – unidades que funcionam com um ou mais cursos, sob a supervisão de uma Etec –, em cerca de 300 municípios paulistas. As Etecs atendem mais de 224 mil estudantes nos Ensinos Técnico, Integrado e Médio. Nas Fatecs, o número de matriculados nos cursos de graduação tecnológica supera 85 mil alunos.

Fonte: Diário de Taubaté