Sob tensão, TRF4 faz julgamento decisivo para o futuro de Lula

0
312

Foto: Veja/Abril – Ex presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao chegar a ato em Porto Alegre

Em clima de tensão, com militantes nas ruas e um aparato gigantesco de segurança, que inclui bloqueio aéreo, naval e terrestre e o uso de atiradores de elite no entorno de sua sede, o Tribunal Regional Federal (TRF4) julga nesta quarta-feira, 24, o processo que pode comprometer o futuro político do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e influenciar de forma decisiva as eleições presidenciais deste ano.
Lula recorre de condenação pelo juiz Sergio Moro, de Curitiba, a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva em processo da Operação Lava Jato no qual é acusado de ter recebido um tríplex no Guarujá da OAS em troca de favorecimento à empreiteira em contratos com a Petrobras.
Se a condenação for mantida, Lula fica a um passo de se tornar inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, e ser efetivamente preso, o que só ocorrerá depois que o TRF4 analisar todos os recursos à disposição do petista no próprio tribunal.
Caso saia derrotado definitivamente do TRF4, Lula ainda tem à mão uma série de alternativas jurídicas para prolongar o impasse em torno do registro de sua candidatura ao menos até a chegada das eleições, mas o caminho é longo, tortuoso e o desfecho é incerto.
Sem Lula no páreo, o cenário eleitoral tende a ficar confuso. Na última pesquisa Datafolha, de dezembro passado, o petista tem, dependendo do cenário, entre 34% e 37% dos votos, o que faz dele líder absoluto da corrida presidencial. Ele também venceria todos os seus adversários no segundo turno, de acordo com a mesma pesquisa.
O componente político-eleitoral envolvido no caso e a resiliente popularidade de Lula em alguns setores da sociedade fizeram de Porto Alegre um lugar de tensão, com a chegada à cidade de militantes de movimentos sociais, como o MST e o MTST, de grupos de esquerda como as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e de líderes petistas e membros de partidos aliados, que defendem a absolvição de Lula e a possibilidade de ele ser candidato.

Fonte: Da Redação – VEJA.com