Tártaro em cães: riscos, causas e tratamento do problema

0
2539

Basta reparar em atividades rotineiras dos cachorros para saber a importância que os dentes têm para eles. Os cães os utilizam para comer, para roer e até para brincar! Por isso mesmo, manter a higiene bucal desses pets é fundamental para garantir seu bem-estar. E, que tal começar com a prevenção e com o tratamento do tártaro em cães?

Assim como ocorre conosco, o tártaro nos cachorros nada mais é que a formação de uma placa bacteriana decorrente do acúmulo de restos de comida. A diferença é que, enquanto nós escovamos nossos dentes diariamente, muitas vezes não fazemos o mesmo com os pets. Com isso, nossos amigos acabam ficando mais sujeitos ao problema.

Causas do tártaro: por que ele se forma?

Antes de mais nada, é preciso entender que, na maior parte dos casos a formação do tártaro em cães é praticamente inevitável. No entanto, de acordo com a médica-veterinária da Petz, Bruna Maturo, alguns fatores podem contribuir tanto para o surgimento mais rápido quanto para a evolução do problema.

É o caso, por exemplo, de não escovar os dentes do cachorro pelo menos 3 vezes por semana. Oferecer ao pet alimentos inapropriados, como carnes, frutas e guloseimas, ajudam na formação da placa bacteriana por não gerar atrito.

Mas, segundo a especialista, ainda que você tenha todos esses cuidados, alguns cachorros têm chances maiores de desenvolver o tártaro. “A própria anatomia da boca e dos dentes leva a uma predisposição maior”, explica a veterinária.

Entre as raças, ela cita os cães de porte pequeno e os braquicefálicos como os que têm maior tendência a apresentar o quadro. “A presença de dentes decíduos (dentes de leite) também leva a uma maior predisposição”, alerta a Dra. Bruna.

Como saber se meu cachorro está com tártaro?

Diferente do que ocorre com boa parte das doenças, não é difícil identificar o tártaro em cães. Isso porque um dos primeiros sintomas sentimos assim que o cachorro nos dá aquela lambida no rosto e vem um cheirinho desagradável…O famoso mau-hálito!

Além disso, ao abrir a boca do pet, é possível ver a placa bacteriana em manchas amareladas ou esverdeadas, próxima à gengiva ou entre os dentes. Nos casos mais avançados, a Dra. Bruna diz que o cão também pode ter dificuldade em mastigar e até apresentar dores severas.

Riscos do tártaro para os cães

Não importa se estamos falando dos pets ou de pessoas. Muita gente ainda acredita que cuidar dos dentes é uma questão puramente estética, o que está longe de ser verdade. No caso dos cachorros, a Dra. Bruna explica que o excesso de bactérias na boca pode levar à doença periodontal e à gengivite, causando dor e dificuldade de mastigação.

Ainda mais grave é quando essas bactérias migram para outras partes do corpo. “Elas podem migrar para o coração, levando à endocardite, e também podem causar alterações renais, hepáticas e pulmonares”, alerta a veterinária.

Prevenção e tratamento

Como dito anteriormente, na maior parte das vezes não é possível evitar completamente a formação do tártaro. No entanto, seguir as medidas abaixo pode sim contribuir para adiar a evolução do problema: Confira as dicas de como tirar tártaro dos dentes que preparamos para você!

  • Escove os dentes do cachorro todos os dias ou, no mínimo, 3 vezes por semana com produtos veterinários adequados;
  • Ofereça ao pet somente produtos com a textura e com o tamanho apropriado para sua raça e/ou porte;
  • Hoje em dia, é possível encontrar diversos tipos de biscoito para tártaro de cachorro, rações e até “enxaguantes bucais” que auxiliam na prevenção do tártaro. Converse com um veterinário;
  • Caso o pet ainda tenha dentes de leite, informe-se com o veterinário sobre a possibilidade de fazer uma extração;
  • Nunca recorra a tratamentos caseiros para o tártaro sem a expressa recomendação de um especialista;
  • Leve o cachorro para check-ups e consultas regulares a fim de avaliar a saúde bucal dele.

Já nos casos em que a placa já se encontra instalada, é preciso partir para a cirurgia de limpeza. A limpeza de tártaro em cães é bastante semelhante à nossa. “A cirurgia se resume na remoção da placa bacteriana com um aparelho chamado ultrassom odontológico”, explica a Dra. Bruna.

A grande diferença é que, para limpar o tártaro em cães, eles precisam estar anestesiados, o que envolve um maior risco. Por isso, a veterinária recomenda que seja usada a anestesia inalatória, que causa menos dor e é mais segura. Mas fique tranquilo, quando esse procedimento é realizado por um profissional qualidade, seu amiguinho será bem tratado e estará protegido.

Outra recomendação da veterinária é dar preferência para um especialista da área de odontologia. “Eles têm equipamentos específicos para remoção da placa, extração de dentes, polimentos, entre outros procedimentos específicos”, diz.

Caso esteja se perguntando onde encontrar um profissional da área, saiba que odontologia é uma das diversas especialidades oferecidas nas clínicas Petz. Verifique a disponibilidade na unidade mais próxima a você!